LUA NOVA – Não é o poder, mas sim, expandir a potência

25/05/2017 Lua nova 04°46’ em Gêmeos: às 16h44 Br – 19h44 UT 25/05/2017

Vênus 19°07’ Áries quadrada Plutão 19°07’ Capricórnio: às 13h35 Br – 16h35 UT 25/05/2017

Por Aline Camargo, Agente 76

Somos afetados por uma imensa intensidade de fluxo a cada micro segundo de nossos instantes. Dentro desses encontros, podemos e, quando temos corpo, devemos perceber onde e como nos compormos e que afetos criar desses encontros.

Olhar para o céu hoje, mergulhar em seu silêncio universal é entrar em contato com esses fluxos, com esses movimentos que deformam a linha do tempo e tocam nossas vidas, ora impulsionando, ora em pausa, nos provocando sensações e desejos.

Vênus e Plutão estão entre esses encontros, em quadratura nos coloca em pauta como estamos reagindo em nossas relações, seja ela íntima ou não, de ordem ou subordinação, de criação ou filosófica. Onde houver espaço para nos provocar entre superfície e o profundo, lá estará essa ressonância.

Isso cabe tranquilamente se pensamos em nós, ali com o espelho mais próximo onde sozinhos tecemos conversas e questionamentos, então é um encontro que provoca ondulações em seu movimento, entre nossa consciência e nosso inconsciente.

Vênus quadrada plutão provocando a ordem apresentada, entre valores materiais e grupos que cuidam desses valores. Provoca nossos desejos íntimos dando corpo onde queremos compor e com que grupos.

Por outro olhar, há a Lua Nova que acontece em Gêmeos, que provoca parcerias, que provoca o povo, que remexe raízes e ancestralidade.  Em Gêmeos, ar mutável do zodíaco, vale atentar ao cuidado de como a fala está acontecendo, afinal, estamos sendo provocados a mergulhos para na volta conseguir suavidade.

Lua Nova que se coloca à disposição da comunicação, seja em exagero ou não, e é aqui que devemos perceber o que realmente desejamos dar continuidade, de propagar feito enxame de abelhas para dominar esse ou aquele momento.

Ar mutável é feito brisa constante ou tempestade, o meio termo se apresenta para quem deseja mergulho profundo. Não, não é meio termo, e sim o tempo calmo para reagir, ter postura, respirar e onde não houver outra forma, que inflame, mas o faça em inciativa e não em passividade.

Com tantos fluxos se apresentando, temos esses encontros que de cada canto do zodíaco provocam extremos, ora na expansão da fala ou sua contração, ora entre entrega e desapego.

Assim, com a consciência de que não podemos mais tropeçar em nós mesmos ou em medos de tomarmos postura frente nossos desejos e crenças, é de extrema necessidade encontrar nossos espaços, silêncios e grupos. Não há mais como ficarmos entre aparências e falas gordas esperando pelo adoecimento do milagre.

Estamos em transição entre tempos onde a intolerância se coloca como agente de fronteira e, ao mesmo tempo, essa fronteira é inexistente com as linhas de fibras ópticas.

Brigamos por espaços e liberdade. E quando afrouxam um tanto a rigidez da ordem, nos sentimos perdidos e não damos conta, nos submetemos ao conhecido mesmo sendo ele doloroso ao invés de sustentar a mudança.

A quadratura Vênus-Plutão e a Lua Nova em  Gêmeos tem a potência de troca de valores e formas de expressar desejos e pensamentos. É um convite para darmos onde necessário, passos para trás e vermos melhor para onde seguimos, em que acreditamos e o que levamos a frente como verdade de vida.

Que nessa Lua Nova sejamos capazes de nos colocar em contato conosco para que consigamos respirar e perceber como lidamos com nossas emoções, e como as colocamos em nossa fala. Temos nossas cicatrizes por conta de nossas emoções e isso implica em nossa forma de expressão, ir a esse encontro é mergulhar e perceber onde ainda há apego e se libertar.

Liberdade é um espaço onde existe criação e confiança. Espaços oriundos de dominação, onde o poder fere com suas imposições, deprimem qualquer forma de expressão, causando adoecimento, reações compulsivas, medo, insegurança…

Acredito eu que já basta estarmos entre tempos tão desconexos, para nos colocarmos ainda mais à mercê desses encontros dominantes. Vênus quadrada a Plutão não é dos encontros mais delicados, mas ainda assim, tem potência de sobra para nos ajudar a chegar nesse sutil que é o grande respiro para tempos tão intransigentes.

Pensando aqui em nosso singular, é a quebra que precisamos para nos libertarmos de dogmas ditados por morais e leis distorcidas, que não representem nada além de mera restrição e dominação. Entrar em contato com essas feridas e ou cicatrizes é iniciar o processo da regeneração, do avançar casas por ter se permitido a pausa e o pensar, refletir.

Não temos mais tempo e saúde para brigarmos com fantasmas ou com afetos violentos que causam decomposição em nós. Estamos em momento de passagem, travessia para o sutil, mas para tanto, é necessário passar por toda quebradeira para seguirmos.

A Lua é nova, é quadratura Vênus-Plutão, é de grande coragem criar seu corpo e ter seu contorno, então aproveita! Não estamos sozinhos nessa.

Por Aline Camargo, Agente 76

Perfil e Contatos da Agente 76

Imagem: Tomasz Alen Kopera